A Mão que salva – Um ensaio inútil

 

A equipe das Segundas Filosóficas tem o grato prazer de disponibilizar o artigo, A Mão que salva – Um ensaio inútil, do Professor Manuel Curado, da Universidade do Minho, de Braga -Portugal. O artigo constitui leitura obrigatória para todo estudante diligente da obra de Platão, pela fundamental razão de tratar-se de um raro e competente esforço crítico das proposições do mestre de Atenas, em virtude do que, consegue atenuar o efeito do argumento de autoridade e possibilitar que o leitor aguce o seu senso crítico diante da obra. O tema básico é o do Mito da Caverna que, em razão de sua genialidade, desponta como momento de esplendor daquela mente grega, e que, em decorrência, tem recebido apenas considerações elogiosas. Nesse sentido, o valor do trabalho não se resume às críticas oferecidas ao conteúdo conceitual contido no mito, mas estende-se à própria interpretação da filosofia platônica que tem prevalecido nos círculos acadêmicos. Não se trata, pois, meramente, de sancionar ou não, a leitura do professor Curado, mas de questionar as nossas próprias leituras do tema. Penso que o Dr. Manuel Curado, nesse artigo, planta sementes de dragão.

Ver A Mão que salva de Manuel Curado                                                               Rubi Rodrigues

Deixe uma resposta