Cap. 8 – Alternativas para a transição

Os possíveis caminhos da transição – Objetivo: identificar em face das circunstâncias, as vias alternativas disponíveis para encaminhar a mudança.

Comentário institucional ao Capitulo 8

 No final de 2011, surgiram duas ideias básicas visando viabilizar na prática, uma intervenção intencional no rumo civilizatório. O grupo concordou que essas alternativas tinham potencialidades e mereciam ser estudadas a fundo para compreender/revelar suas reais possibilidades. Passados seis meses sem conseguirmos avançar no tema por falta de tempo, resolvemos indicar as ideias no Site na esperança de assim virtualmente conseguir adesão de capacidade intelectiva que possa nos ajudar nesse estudo.

A primeira ideia foi apresentada por Jonatas Gustavo e diz respeito a criação de uma concepção política de validade planetária e que visaria, em última instância, conquistar poder político em todos os rincões do planeta para implementar as mudanças requeridas pelo novo padrão civilizatório.

A segunda ideia foi apresentada por Rogerounielo e diz respeito a tornar patrimônio da humanidade toda descoberta científica e toda inovação tecnológica produzida pelo homem, de sorte que o produto da criatividade humana passe a beneficiar toda humanidade e deixe de ser usado como instrumento de dominação e de concentração de poder.

 A concepção política precisa assumir uma perspectiva que seja comum e própria da espécie humana e defender os interesses da humanidade considerada como uma só família, onde todos os membros desfrutem de idêntica cidadania e dignidade e onde todos trabalhem de forma cooperativa visando o aperfeiçoamento da espécie e da civilização. Aqui se trata de definir um conjunto mínimo de diretrizes básicas que sejam assimiláveis por todos os povos da terra, provendo uma ideologia política não sectária, não defensora de direitos de segmentos sociais particulares e nem mesmo de defesa de qualquer parte ou grupo, mas sim da defesa do todo e de todos. Imagina-se que, dessa forma, cada localidade poderá criar uma organização política centrada nos interesses da espécie, cujo único compromisso seria preservar-se fiel às diretrizes planetária da concepção e que desenvolveria o trabalho local considerando as suas circunstâncias e suas particulares possibilidades. Convém ressaltar de imediato que não caberia qualquer concentração de poder que resultasse em qualquer tipo de governo planetário, mas apenas a manutenção de um organismo virtual internacional responsável pela preservação e atualização da doutrina da espécie, de sorte que a universalização da doutrina somente possa ser alcançada em razão da excelência e adequação dos princípios adotados, sem qualquer caráter impositivo. O trabalho a ser desenvolvido neste item e para o qual convidamos a todos os interessados, consiste em definir essa concepção em termos que sejam aceitáveis a todo ser humano efetivamente comprometido com os destinos da espécie e ao mesmo tempo mantenha a concepção livre dos predadores sociais que são orientados por interesses pessoais ou de grupos.

 A ideia de universalizar o acesso às descobertas científicas e tecnológicas visa, de um lado, estancar a apropriação privada dos produtos da criatividade humana, dado ser essa uma das fontes primordiais da concentração da renda e das diferenças sociais e, de outro, amplificar a produtividade criativa da espécie ao possibilitar uma cooperação científica planetária nos esforços de desenvolvimento que hoje estão confinados a laboratórios cercados de segurança máxima e a grupos de competência restritos. Pensamos que livre dos interesses corporativos o desenvolvimento científico e tecnológico dará salto exponencial e as dificuldades sociais poderão ser superadas em tempo previsível. Somente a liberação das patentes já existentes e guardadas a sete chaves por contrariarem interesses mercantis, pode ou deve representar um verdadeiro choque evolutivo. O trabalho a ser desenvolvido neste item e para o qual também estão todos convidados, consiste em definir as diretrizes e regras da concepção e as alternativas de constituição e gestão do fundo de capital correspondente.

Participe da discussão deste capítulo

Deixe uma resposta